NOTÍCIAS

Sergipe 12:01, 18 nov 2020 Alunos da Rede Estadual retornam às aulas presenciais de forma gradual e segura

Foto:

Concomitantemente ao retorno presencial, acontece ainda a testagem da covid-19 por amostragem de alunos, professores, gestores e demais servidores da educação

Muitos reencontros marcaram a retomada das aulas presenciais nesta terça-feira, 17, em todo o território sergipano, após cinco meses de aulas não presenciais. Em Aracaju, 44 unidades escolares retornarão ao funcionamento até o dia 30, seguindo todos os protocolos de biossegurança sanitária, pedagógica, administrativa e de gestão de pessoal, orientações que fazem parte do Plano de Retomada das Atividades Presenciais, construído pela Secretaria de Estado da Educação, do Esporte e da Cultura (Seduc) e validado pela Vigilância Sanitária. Paralelamente a isso, também está sendo feita a testagem por amostragem em seis mil alunos, professores, equipes diretivas e demais servidores da educação, em 28 municípios, para detectar os anticorpos IgG e IgM para SARS-CoV-2.

Nessa primeira fase, retornam à sala de aula os alunos dos terceiros anos do Ensino Médio Regular; concluintes da Educação Profissional Tecnológica (EPT) integrada ao Ensino Médio; Educação de Jovens e Adultos Ensino Médio (EJA-EM); e do programa Pré-Universitário da Seduc (Preuni), em 209 escolas estaduais.

Para dar prosseguimento ao retorno, a Seduc apresentou o plano de retomada às diretorias regionais de Educação, gestores escolares e demais membros da comunidade escolar, e cada escola criou um comitê a fim de monitorar, avaliar e discutir todas as diretrizes e a partir daí colocá-las em prática de acordo com a estrutura de cada uma delas.

Segundo a professora Gilvânia Guimarães, gestora da Diretoria de Educação de Aracaju (DEA), o retorno tem sido muito cuidadoso, respeitando todos os segmentos da educação. “A partir da autorização do Comitê Técnico-Científico e de Atividades Especiais (CTCAE) do Governo de Sergipe, as escolas começaram a se mobilizar e trabalhar em prol de um retorno seguro, por meio de diálogo estabelecido com os comitês escolares, nos quais os professores, pais, alunos, gestores e servidores puderam socializar seus anseios e sugestões sobre a retomada; portanto, esse retorno não foi uma ação isolada, foi uma decisão do comitê”, disse ela, informando que os pais ou responsáveis legais tiveram autonomia para decidir sobre a volta de seus filhos às aulas presenciais. Para isso, eles assinaram um termo disponibilizado pelas escolas.

Colégio Estadual Djenal Queiroz

Situado no bairro Grageru, em Aracaju, o Colégio Estadual Governador Djenal Tavares Queiroz, unidade que oferta o ensino médio em tempo integral, recebeu os alunos do terceiro ano com um acolhimento logo no início da manhã. Com todos os aparatos sanitários, a escola realizou uma força-tarefa para o retorno às aulas presenciais: as atividades foram concentradas no pátio da escola, espaço aberto, com ventilação e distanciamento; foram espalhados diversos cartazes com orientações; aquisição de tapetes sanitizantes, aparelhos para aferir a temperatura, entre outros.

O diretor da unidade, professor César Henrique Pita Estrelado, explica que essa mobilização se deve a toda a equipe que esteve engajada com o cumprimento dos protocolos de segurança sanitária, bem como as recomendações pedagógicas e de gestão de pessoas para o pleno andamento das atividades escolares. Ele enfatiza que foram criadas estratégias de grupos, de organização dos espaços “porque foi preciso lavar a escola toda, fazendo a desinfecção, e essa preparação trouxe muita motivação aos estudantes, e os pais estavam também ansiando por esse retorno, pela importância da continuidade dos estudos presenciais, principalmente para os alunos que vão prestar o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem)”.

Representando o corpo pedagógico no comitê escolar do Djenal Queiroz, a professora Renata Mecenas afirma que a frente de trabalho teve uma significativa contribuição para esclarecer as informações sobre o plano de retorno. “Desde o início a gente vem conversando com os alunos nas salas virtuais. Isso foi importante para a gente mensurar como eles estão se sentindo e o que pensam do retorno, em seguida, estabelecemos o diálogo no comitê, onde a gente pode ampliar essa conversa com as famílias, professores e o servidores que são importantes nesse momento”, pontuou.

Colégio Estadual Professor Gonçalo Rollemberg Leite

Acolhimento e muitas mensagens de boas-vindas. Assim se deu a volta dos alunos do ensino médio em tempo integral do Colégio Estadual Professor Gonçalo Rollemberg Leite, no bairro Grageru, em Aracaju. Concentrados no auditório, os estudantes já iniciaram as aulas presenciais com um bate-papo sobre cuidados preventivos à covid-19 no ambiente escolar, mediado pelo superintendente do Laboratório Central de Saúde Pública de Sergipe (Lacen), Cliomar Alves. O profissional da saúde falou sobre infecção, contágio, como conviver em ambientes fechados durante a pandemia, “além de orientações de como se prevenir caso se tenha alguma suspeita, o que fazer; esclarecimentos sobre diagnósticos e outras tratativas a respeito do enfrentamento ao coronavírus”, pontuou.

Professora Liliane Teixeira, diretora do Gonçalo Rollemberg, afirma que o retorno ocorreu como o esperado. Tudo foi preparado para garantir a segurança da comunidade escolar, por meio da aquisição de insumos e materiais de proteção com recursos do Profin Pandemia. “Tem sido muito tranquilo esse retorno. Fizemos um horário novo para nossos alunos se prepararem para o Enem”, frisou ela, destacando a importância do comitê e conselho escolar na condução dos trabalhos de retomada.

A aluna Solene Maciel estava entusiasmada com a aula presencial. A jovem assegura que a metodologia de aulas remotas tem seus benefícios, mas estar em sala de aula traz outros significados para o aprendizado. “Em casa, a gente concilia os estudos com outras tarefas do dia a dia e isso, de certa forma, nos prejudica. O modo presencial serve para a gente ter um foco a mais”.

Centro de Excelência Vitória de Santa Maria

As aulas presenciais no Centro de Excelência Vitória de Santa Maria, unidade que oferta o ensino médio em tempo integral, localizado no bairro Santa Maria, em Aracaju, também foram bastante esperadas pelos alunos. Foi o que assegurou o jovem Gabriel Alves Lima, que também se prepara para o Enem. “A maneira de aprender presencialmente é bem melhor, a gente tem contato com o professor, podendo interagir fazendo perguntas; é outra realidade, ainda mais importante por conta do Enem, para aquele estudante que busca ingressar em um curso superior”, disse ele, revelando que pretende fazer licenciatura em física, ou seguir carreira militar.

Assim como nas outras escolas, de forma centralizada com os comitês, o Vitória de Santa Maria também se equipou com todos os materiais para receber os alunos, como explica o gestor Alex Fabiano. "Adquirimos tudo o que determinam as portarias da Seduc para garantir um retorno seguro, por meio dos recursos do Profin Pandemia. Além disso, mantemos o contato direto com os alunos via grupos de WhatsApp a fim de fornecer informações sobre esses protocolos, bem como a realização da busca ativa dos alunos que não estão acompanhando as aulas remotas”, disse.

Centro de Excelência Maria Ivanda

No Centro de Excelência Maria Ivanda de C. Nascimento, no bairro Santos Dumont, em Aracaju, os alunos responderam ao chamamento de retorno e foram recebidos pela equipe diretiva da escola com segurança e acolhimento. Os alunos passaram por uma barreira saneante com respingo de hipoclorito de sódio nas mochilas, tapete sanitizante, e álcool em gel. As cadeiras nas salas mantêm o distanciamento e os protocolos de segurança coletiva foram passados pela diretora Adriana Hora.

Testagem por amostragem

Concomitantemente à volta às aulas presenciais, o Governo de Sergipe e a Universidade Federal de Sergipe (UFS) estão realizando testagem por amostragem de professores, alunos e servidores da rede pública de ensino em todas as diretorias de educação. A iniciativa pretende disponibilizar seis mil testes para detectar os Anticorpos IgG e IgM para SARS-CoV-2, em 28 municípios sergipanos, com o objetivo de ter um parâmetro do vírus nessa população específica. Nesta terça-feira a ação foi iniciada no Centro Estadual de Educação Profissional José Figueiredo Barreto, situado no bairro Getúlio Vargas.

A Seduc, por meio do Departamento de Apoio ao Sistema Educacional (Dase) com o Programa de Saúde na Escola (PSE), e da Secretaria de Estado da Saúde, vem alinhando as ações de testagem com o farmacêutico e professor de Imunologia Clínica da Universidade Federal de Sergipe (UFS), Lysandro Borges (Força Tarefa Covid-19/LaBiC). De acordo com ele, o resultado dos testes sairá na mesma hora, e ele acredita que essa iniciativa de parceria entre a Seduc e a UFS servirá de modelo para outros estados do Brasil. “Essa testagem de alunos e professores terá também outro grande benefício, pois será uma ferramenta para a própria Secretaria de Educação tomar decisões em relação à segurança dos estudantes e dos professores”, acrescentou.

A técnica do PSE Seduc, Lívia Amorim, que acompanhava o início da Força Tarefa no José de Figueiredo, informa que a ação ocorrerá em todas as diretorias regionais de educação e permitirá que a Secretaria de Educação saiba qual o real cenário da rede de ensino em relação à covid-19.

Leia mais:

Testagem por amostragem de alunos, técnicos e professores inicia na rede estadual


Tags: Sergipe SE Protocolo de retorno retorno de aulas