NOTÍCIAS

Distrito Federal 15:47, 13 dez 2019 Maria da Penha vai à escola

Maria da Penha vai à escola

Cerca de mil estudantes, além dos professores e familiares, participaram das ações nas escolas públicas

A dona de casa *Geralda sofreu uma tentativa de homicídio, enquanto dava banho na filha caçula. O agressor era seu próprio marido e pai de seus oito filhos. “Por um milagre sobrevivi. Uma vizinha me ajudou e pude sair de casa”, conta. Somente neste ano, 30 mulheres foram vítimas de feminicídio no DF. Para mudar essa realidade, a Lei nº 6.325, de 10 de julho de 2019, instituiu a Semana Maria da Penha vai à escola.

A iniciativa busca disseminar o conhecimento no âmbito escolar acerca da Lei nº 11.340/2006 e da Lei nº 13.104/2015, que tipifica o feminicídio, assim como propiciar reflexões sobre os diversos tipos de violências contra a mulher.

De acordo com o subsecretário de Educação Básica, Helber Vieira, “a escola contribui ativamente para a formação de uma nova geração de cidadãos que compartilham valores e atitudes que não mais toleram a violência contra a mulher sob qualquer pretexto. Nossas ações na secretaria vão ao encontro desse desejo social”, destaca Helber.

A parceria entre a SEEDF e o Núcleo Judiciário da Mulher (NJM), do Tribunal de Justiça do DF e Territórios (TJDFT) percorreu 30 escolas, com a participação de dez coordenações regionais de ensino (CRE). Durante a Semana que foi realizada entre 25 e 29/11, também foi criado um banco de profissionais que foram às escolas ministrar oficinas acerca da Lei Maria da Penha.

Todos em favor da vida

Aldenora Macedo, da Gerência de Educação em Direitos Humanos e Diversidade (GDHD), destaca a Oficina Direitos Humanos e a Lei Maria da Penha que foi ofertada na EAPE. “A oficina discutiu a origem do Dia Internacional da Não-Violência contra a mulher (25 de novembro) e que norteou a escolha da Semana. Além disso, os tipos de violência contra meninas e mulheres, o histórico da Lei Maria da Penha, a Lei do Feminicídio, legislações do DF que orientam o trabalho com a temática em nossas escolas e sugestões de como fazê-lo também foram abordados”, explica a gerente.

Em consonância com as ações, o Centro de Ensino Médio 12 de Ceilândia promoveu o II Festival de Curtas da Ceilândia com a participação da assessora especial do gabinete da SEEDF, Janaína Almeida e da gerente Aldenora Macedo, que atuaram como juradas.

O Festival, que faz parte do projeto “A mulher na luta pela emancipação social e humana”, contou com 56 vídeos e discorreu sobre a mulher ceilandense operária, a Marcha das Margaridas, a representação feminina na mídia entre outros temas. Também foram apresentados seminários e escrita autoral de cordéis que foram compilados e publicados em uma publicação do CEM 12 de Ceilândia.

*Nome fictício para preservar a identidade da entrevistada

Confira os vídeos vencedores do II Festival

1º lugar – Mulheres operárias ceilandenses

2º lugar – Respeito

3º lugar – A marcha das Margaridas

Aldenora Moraes, Ascom/SEEDDF

Tags: DF Distrito Federal #DF