NOTÍCIAS

Gestão da Educação 10:34, 6 jul 2018 Secretaria de Educação do Rio de Janeiro registra redução de 43% da taxa de abandono escolar

Marcia Costa Marcia Costa Marcia Costa
Foto: Marcia Costa

Bom resultado é fruto de projetos pedagógicos implantados nas unidades de ensino

A taxa de abandono escolar na rede pública estadual de ensino do Rio de Janeiro reduziu em 2017. No Ensino Médio, o percentual foi de 5,1%, contra 8,9% no ano anterior. Já no Ensino Fundamental, o índice caiu de 4,3% em 2016 para 2,6% no ano passado. Os dados foram apresentados pela Secretaria de Estado de Educação (Seeduc). O bom resultado é fruto de projetos pedagógicos realizados e implantados nas escolas públicas do Rio de Janeiro, que envolvem apoio e reforço em disciplinas, desenvolvimento de ações, experiências e práticas educativas pioneiras em diversas áreas e outras propostas.

Entre as iniciativas, estão o programa educativo Trilha Empreendedora, que oferta atividades voltadas ao Empreendedorismo aos alunos; projeto NXplorers, incentivando o desenvolvimento de soluções sustentáveis para o cotidiano; Sala de Música Cecília Meireles, no qual centenas de alunos assistiram a espetáculos didáticos de música clássica; Edupark, uma proposta educacional que utiliza vídeos e tecnologia 3D para estimular o interesse dos estudantes em relação a temas sociais; Programa Lei Maria da Penha vai à Escola, em que noções básicas da Lei Maria da Penha foram transmitidas e debatidas em diversas escolas; Programa Mais Educação, cuja meta é melhorar a aprendizagem em Língua Portuguesa e Matemática, que já atendeu 66.750 alunos de 245 escolas em 2017. Ações que estimulam o protagonismo dos jovens, tais como Parlamento Juvenil, Parlamento Jovem Brasileiro e Jovem Senador, também foram importantes para diminuir o índice.

– O abandono escolar tem vários pontos, seja a questão social, o problema da violência e também a questão pedagógica. Hoje, a Seeduc tem uma gama diversa de atividades pedagógicas que torna a escola atrativa, fazendo com que o aluno aumente seu interesse em permanecer nela – declarou o secretário de Estado de Educação, Wagner Victer.

Alimentação aprovada

A qualidade da merenda também reflete no bom desempenho dos alunos em sala de aula e na diminuição do abandono escolar. Nesse quesito, a Seeduc também se destaca. Uma pesquisa inédita realizada pelo Ministério da Transparência e Controladoria Geral da União (CGU) atestou a qualidade da alimentação servida nas escolas públicas da Secretaria de Educação.

Para a elaboração do 1° Relatório de Ouvidoria Ativa no Programa Nacional de Alimentação Escolar no Estado do Rio de Janeiro, foram entrevistados mais de 2.600 alunos, entre os meses de abril e maio de 2018, de escolas estaduais selecionadas pelo próprio Ministério em diferentes regiões do estado. A merenda foi considerada “boa” ou “excelente” por 89,75% dos alunos consultados. A nota média registrada pelos estudantes para a merenda servida em 93,75% das escolas analisadas também ficou entre “boa” e “excelente”.

Crescimento do número de escolas em tempo integral

A ampliação de escolas em horário integral também é um dos fatores positivos que contribuem para a permanência dos alunos nas escolas públicas estaduais. Em 2017 e 2018, a Secretaria de Educação implementou Ensino Médio em tempo integral em mais 81 unidades de ensino. Além da carga horária aumentada em Português, Matemática e Inglês, os estudantes fazem curso profissionalizante em Empreendedorismo.

– Nessas escolas, os alunos também participam do Projeto de vida e mundo do trabalho; Projeto de pesquisa, com ênfase em Gestão de Projetos, entre outros conteúdos relacionados ao Empreendedorismo. Dessa forma, é ensinado como montar e administrar um negócio, além de estimular o jovem a enxergar o mundo com outras perspectivas e ir em busca de seus objetivos – destaca Wagner Victer.

Ações desenvolvidas em 2018

Projetos pedagógicos desenvolvidos ao longo de 2018 começaram a render bons resultados e podem contribuir para a diminuição do abandono escolar neste e nos próximos anos. Um deles é o “Na minha escola todo mundo é bamba: todo mundo lê, mesmo quem não samba”, cujo objetivo é utilizar a obra e a vida de Martinho da Vila para incentivar os alunos a elaborar atividades voltadas à prática de leitura, redação, poesia e desenho.

Ainda no campo cultural e musical, a Secretaria de Educação, em parceria com a Cesgranrio, desenvolveu o Programa Música Clássica nas Escolas. Por meio da iniciativa, serão distribuídos 7 mil kits, contando com 28 mil livros, aos colégios da rede pública estadual, abordando o tema, a partir das biografias e das produções de compositores expressivos dos quatro períodos da música ocidental.

Promover a educação e o respeito no trânsito também foi uma ação importante realizada pela Secretaria de Estado de Educação. Em parceria com o Detran, foi implementado um programa que oferta aulas teóricas de direção para alunos de escolas de Ensino Médio em tempo integral.

Outra ação importante foi o Programa “Educação Mais Humana”, que tem como meta combater a intolerância religiosa. A proposta permitirá que alunos da rede estadual produzam vídeos que abordam essa temática e serão exibidos e debatidos em salas de aula.

Uma parceria firmada com o Serviço Social do Comércio (Sesc) e o Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac), que vai beneficiar 250 mil alunos, também deve continuar a contribuir com a redução do abandono escolar. A proposta é levar oficinas artísticas, culturais e esportivas; palestras; cursos de qualificação profissional; atividades educativas sobre temas socioambientais, entre outras ações para os estudantes. As atividades serão realizadas no contraturno, favorecendo que o aluno fique mais tempo e se envolva em ações realizadas pela comunidade escolar.

– Um ponto importante dessas ações é que os alunos serão beneficiados e, também, serão os principais desenvolvedores e participantes desses projetos, como o Educação Mais Humana. Além disso, as atividades promovem uma integração entre estudantes e professores, fortalecendo o vínculo e estimulando propostas pedagógicas – finaliza o secretário de Educação.

Tags: Gestão da Educação RJ