NOTÍCIAS

Bahia 18:52, 27 nov 2020 Educadores e representantes LGBTQIA+ dialogam sobre educação para as relações étnico-raciais e diversidade

Educadores e representantes LGBTQIA+ dialogam sobre educação para as relações étnico-raciais e diversidade

A Secretaria da Educação do Estado da Bahia (SEC), ao longo deste mês em que se celebra o Dia Consciência Negra, vem realizando uma série de ações voltadas para o Novembro Negro. Nesta sexta-feira (27), educadores e representantes da comunidade LGBTQIA+ dialogaram sobre o tema "Educação para as relações étnicos-raciais e diversidade". A atividade, realizada em parceria com a Secretaria de Justiça, Direitos Humanos  e Desenvolvimento Social (SJDHDS), foi transmitida no canal do YouTube da SEC (Educação Bahia) e pode ser conferida através do link encurtador.com.br/ekOVX.

O coordenador de Políticas LGBT da SJDHDS, Gabriel Teixeira, ressaltou a importância de se discutir a temática. "O Novembro Negro na diversidade se propõe a provocar a população em sua inteireza a participar do enfrentamento das discriminações e violências na interseccionalidade destas pautas. Algo urgente na atualidade. A construção conjunta entre secretarias de Estado, educadores e a sociedade civil vem resultando em ganhos significativos, contribuindo para o enfrentamento ao preconceito e o fortalecimento dos direitos destas diversas identidades".

Segundo o conselheiro estadual LGBT, Ermeval da Hora, que representa o Movimento Negro Unificado (MNU), uma parcela significativa do público LGBT tem sido constantemente alvo de desrespeito, intolerância, perseguição, discriminação e violência. "É necessário resgatar e investir no caráter transformador, tal como defendido por Paulo Freire, para conquistar a dignidade, a igualdade e a liberdade da população LGBT. Para tanto, é preciso um conjunto de posturas, ações e políticas educacionais que garantam uma educação de boa qualidade. Ações voltadas à garantia da educação como um direito da população LGBT deve se compreender o acesso à permanência respeitosa deste segmento das instituições educativas".

O educador e mestre em História Social, Bento Chastinet, afirmou que a educação é um motor de transformação da realidade social. "A prática permite que seja posta e discutida na ordem do dia, nos espaços escolares, questões étnico-raciais e de gênero, bem como fomenta um olhar problematizador sobre a realidade material dos sujeitos, além de ser um aspecto que nuança o quanto a cidadania insiste em não caber em pessoas que fogem ao pressuposto natural e, por consequência, experenciam as margens. Uma educação que se acredite urgente, inclusiva e que tensiona os paradigmas se tornara libertadora para a comunidade LGBTQIA+".

A professora, atriz e arte-educadora, Xan Marçall contou que tem realizado, a partir de uma coletividade, mudanças micropolíticas, insurreições subjetivas, por meio da arte, a partir das imagens que somos estimuladas a perseguir. "Este estímulo sensorial é a primeira apreensão que temos do mundo. Quais imagens povoam nossas cabeças-mundos e quais imagens construímos o mundo? Eu tenho acreditado cada vez mais que epistemologias negras, indígenas e trans apontam esse mundo possível de novas imagens", destacou.

A live, mediada pela diretora de Currículo, Avaliação e Tecnologias Educacionais da SEC, Jurema Brito, também contou com a participação da educadora Alice Furbino.

Tags: Bahia BA Novembro Negro LGBTQIA+