NOTÍCIAS

Sergipe 08:52, 10 nov 2020 Escolas estaduais Criança Feliz, Atheneu Sergipense e Valnir Chagas são "Referência Estadual" em ações durante aulas remotas

Foto:

Os projetos “Aulas remotas: laços estreitos e aprendizagens significativas através de grupos de WhatsApp"; "Atheneu ONU"; e "Isolamento social não é distanciamento educacional", se destacaram

A Secretaria de Estado da Educação, do Esporte e da Cultura (Seduc), por meio do Departamento de Recursos Humanos (DRH), realizou nesta sexta-feira, 6, uma transmissão ao vivo no YouTube para divulgar as escolas vencedoras da etapa estadual do Prêmio Gestão Escolar 2020, unidades que são referências em ações empreendidas durante as aulas remotas. Na primeira colocação ficou a Escola Estadual Maria da Glória Mota Cabral (Criança Feliz), em Capela, que se destacou com o projeto “Aulas remotas: laços estreitos e aprendizagens significativas através de grupos de WhatsApp”; no segundo lugar, o Centro de Excelência Atheneu Sergipense, com o já conhecido “Atheneu ONU”, seguido da Escola Estadual Professor Valnir Chagas, com a iniciativa “Isolamento social não é distanciamento educacional”, ocupando a terceira posição no ranking.

Diante do cenário atípico, ocasionado pela pandemia do novo coronavírus, que resultou na suspensão das aulas presenciais, a edição 2020 do prêmio se adaptou e lançou o desafio para os diretores de escolas: socializar experiências de gestão em torno das práticas exitosas desenvolvidas durante as aulas remotas, a fim de contribuir para a melhoria dos processos de gestão escolar, oferecendo uma ferramenta de diagnóstico da realidade da escola, além de lançar um olhar técnico e reflexivo sobre as práticas de gerenciamento adotadas. Ao todo, 63 unidades de ensino concorreram, 58 das quais são da rede estadual e cinco das redes municipais.

Ao anunciar os vencedores, o professor Josué Modesto dos Passos Subrinho, secretário da Seduc, parabenizou as equipes e reforçou a importância de a rede se apropriar e estender as conquistas com outras escolas. Para o gestor, a premiação torna evidente a dedicação e empenho dos profissionais que fazem a diferença na condução dos trabalhos das instituições, visando sempre aos melhores resultados educacionais, com foco nos avanços do Ideb. A ação do Conselho de Secretários Estaduais de Educação (Consed), em parceria com a União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime/SE), gera um movimento de motivação em torno dos projetos. “Esperamos que essas iniciativas sirvam de referências e sejam reproduzidas em todas as nossas escolas”, salientou.

O superintendente executivo da Seduc, professor José Ricardo de Santana, também saudou as escolas que venceram a etapa estadual. Ele enfatizou o engajamento dos gestores para socializar seus projetos, haja vista que a edição de 2020 teve recorde de inscrição. “Trata-se de uma momento desafiador para a educação, mas todos conseguiram se reinventar e mostrar o que há de melhor na rede pública”, pontuou.

A transmissão contou ainda com a participação do diretor do DRH, professor Jorge Costa Cruz Júnior, que mediou o anúncio dos vencedores. “A gente agradece a todos os gestores, professores, coordenadores e a todos os profissionais e diretores regionais que estiveram envolvidos na construção dessa edição especial, e aos avaliadores pelo compromisso com a educação. São equipes que merecem o nosso respeito por conseguir, em um momento de pandemia, conduzir seus trabalhos com muita competência e profissionalismo, fundamentados na continuação da aprendizagem dos nossos alunos”, parabenizou. Também estiveram presentes à solenidade a secretária municipal de educação de São Cristóvão e representante da Undime/SE, Quitéria Barros; a diretora da Diretoria Regional de Educação 4 (DRE4), professora Maria Luiza Omena, e a coordenadora estadual do Prêmio Gestão Escolar, professora Maria de Fátima Paiva.

Escola Estadual Criança Feliz

A campeã da etapa estadual, Escola Estadual Criança Feliz, situada no município de Capela, que fica na região do Cotinguiba, destacou-se no Prêmio Gestão escolar 2020 com o relato sobre o projeto “Aulas remotas: laços estreitos e aprendizagens significativas através de grupos de WhatsApp”. A unidade oferta o ensino fundamental - anos iniciais, atendendo a crianças de 6 a 11 anos de idade, com aproximadamente 284 alunos distribuídos em catorze turmas, nos turnos matutino e vespertino. A escola capelense irá representar Sergipe na etapa regional da premiação.

Para manter o vínculo com as famílias, a equipe adotou ações pedagógicas com atividades em grupos de estudo por meio do aplicativo WhatsApp. O objetivo principal foi o resgate da rotina escolar das crianças, mantendo contato direto com os professores. Diante das necessidades encontradas em cada grupo, as estratégias metodológicas e as abordagens foram replanejadas. Com acompanhamento diário e devolutivas das atividades pelas famílias, foi possível mensurar resultados positivos de protagonismo e ter o objetivo alcançado.

“Com a utilização dos grupos de estudos, pelo aplicativo WhatsApp, o primeiro momento foi de acolhimento. Nessa fase, o momento foi de sensibilizar as famílias acerca do processo e da responsabilidade que elas estavam assumindo juntamente com a escola. O trabalho conjunto da equipe escolar e dos familiares seria ofertar aprendizagem aos filhos e nossos alunos. Sendo assim, faz-se necessário, acima de tudo, trabalhar este envolvimento e fazê-los se sentir parte importante da ação desenvolvida pela escola. A princípio, os grupos foram formados por série (ano) objetivando uma parceria e uma facilidade maior de planejamento entre os professores com as disciplinas e atividades a serem desenvolvidas”, diz um trecho do relato, assinado pela diretora Marta Cristiane de Araújo Santos.

Atheneu Sergipense

Na segunda colocação, o Centro de Excelência Atheneu Sergipense, unidade que oferta o ensino médio em tempo integral, situado em Aracaju, o qual celebra os seus 150 anos de fundação, ganha reconhecimento no Prêmio Gestão com o projeto Atheneu ONU, atividade que simula uma Assembleia da Organização das Nações Unidas (ONU), que tem expressiva trajetória nas ações desenvolvidas antes e durante a pandemia. A unidade, que conta com 956 alunos matriculados, foi também referência na avaliação do Ideb, como a escola do ensino médio com melhor pontuação da rede pública: 5 pontos.

A organização estudantil, coordenada pelo professor Yure Norberto, é extremamente empenhada em ajudar na preparação de estudantes protagonistas, seguindo os quatro pilares da educação; perfazendo os 17 ODS (Objetivos de Desenvolvimento Sustentável). O Atheneu ONU não se restringe às disciplinas curriculares, nem às séries. Já foi possível reunir mais de nove palestrantes de grande expoente, os quais, com sua história de vida, apoiaram o Projeto de Vida dos estudantes. Por meio deste projeto a escola também ganhou um Site, canais de Stream e em redes sociais, onde ainda hoje apoiam milhares de estudantes e professores nas atividades não presenciais.

Diante do contexto da Pandemia da Covid-19 um novo desafio foi lançado aos estudantes e professores: como continuar mantendo a pedagogia da presença, mantendo vínculo acadêmico com o conhecimento, além de foco e entusiasmo, acreditando num mundo pós-pandemia. “Vimos que deveremos envolver mais outras escolas da rede; tendo que professores e estudantes de outras unidades sempre nos pediam links de acesso às webinars. Planejamos para os próximos eventos buscar essas parcerias, e quem sabe, num futuro próximo, termos o Atheneu ONU como proposta pedagógica da Rede Estadual de Ensino. Desde o mês de abril, quando nosso site e o nosso canal do Youtube foram ao ar, observamos centenas de acessos diários e os nossos vídeos a mais de 13.000 visualizações”, relataram o gestor Daniel Lemos e o professor Yure Norberto.

Escola Estadual Valnir Chagas

Outra instituição de Aracaju que se destacou foi a Escola Estadual Professor Valnir Chagas, cuja prática a levou à terceira colocação no ranking de escolas referência no estado de Sergipe. Contando com 604 alunos matriculados no ensino fundamental e médio, o Valnir desenvolveu ações no formato não presencial para manter o direito à educação, e sobretudo para garantir aprendizagem. Desse modo, a equipe gestora reuniu esforços a fim de suprir a ausência das atividades pedagógicas presenciais no momento em que os alunos estavam em isolamento social. Inicialmente, as reflexões ocorreram entre Gestão Escolar e Professores e em seguida com o envolvimento das famílias, e a partir desses diálogos foram criadas estratégias. Em vista disso, o fazer pedagógico foi ressignificado e por meio de tecnologias da informação chegou-se ao atendimento de 89,87% de estudantes em atividade online e 10,13% alunos em atendimento com material impresso.

Para fundamentar o trabalho remoto, a gestão realizou pesquisa via formulário eletrônico Google Form sobre as redes sociais digitais mais utilizadas pelos estudantes, o aplicativo WhatsApp apresentou maior adesão com 46% dos estudantes, na sequência veio o aplicativo Instagram, com 34%; já a rede social Facebook, com 14% e o aplicativo de vídeos Tiktok com 9%. “Assim sendo, deliberamos pela utilização dos grupos de WhatsApp para reunir alunos e equipe gestora e o Instagram para divulgação de toda a ação. Os grupos de estudos foram divididos por ano e seus respectivos turnos, a priori, administrados e mediados pela equipe pedagógica; a posteriori, os professores foram inseridos e ministravam suas atividades com a orientação e o suporte da coordenação pedagógica da escola”, aponta um trecho de relato do projeto.

“Vivenciamos uma experiência satisfatória! Inicialmente não foi fácil e diariamente foi nos desafiando. Mas a partir do momento em que todos entenderam o objetivo da ação, ou seja, nossa preocupação com nossos estudantes em isolamento social em distanciamento da escola, sem acesso às atividades pedagógicas nem contato social com seus colegas, tudo se desenvolveu mais tranquilamente. A maior dificuldade foram as habilidades com as tecnologias, porque não estávamos acostumados a exercer nossas funções em um formato tão tecnológico, nem imaginávamos que uma ferramenta como um aplicativo de mensagens instantâneas seria o recurso necessário para a execução das atividades pedagógicas, o qual muitas vezes condenávamos pelo seu uso inadequado durante as aulas. Hoje é o meio que nos faz estar mais próximos dos nossos estudantes. Nesse momento, além das outras competências e habilidades da BNCC, a Cultura Digital passou a fazer parte nos planos semanais de todos os componentes curriculares”, diz outra parte do relato assinado pela diretora Armênia Christina Ribeiro Fernandes.


Tags: Prêmio Gestão Escolar Sergipe SE