NOTÍCIAS

Distrito Federal 15:08, 6 mar 2020 União de forças combate violência contra a mulher nas escolas

União de forças combate violência contra a mulher nas escolas

Entre as atividades, vídeos da Turma da Mônica serão transmitidos com mensagens de respeito e empatia

O mês das mulheres na rede pública de ensino começa pelo combate à violência. E uma maneira encontrada pela parceria Secretaria de Estado de Educação (SEEDF), Secretaria de Segurança Pública do DF (SSP/DF), Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e a ONU Mulheres foi por meio do entretenimento. Dois vídeos exclusivos da Turma da Mônica serão transmitidos em sala de aula como parte do Guia de Orientações para Professores e Professoras para o Enfrentamento à Violência contra Meninas e Mulheres, que visa ações pedagógicas na busca por relações saudáveis e respeitosas e pela ressignificação de padrões de comportamento desde a primeira infância.

O guia, além de orientar sobre a utilização dos vídeos que foram lançados, aborda conceitos básicos para pensar a violência dentro de uma discussão de gênero, após uma contextualização rápida, de maneira teórica. Apresenta e desmembra a Lei Maria da Penha, além de outras formas de violência,como a moral, patrimonial, sexual e psicológica, que normalmente precedem a violência física. Em seguida, são apresentadas sequências didáticas, com propostas de dinâmicas em salas de aula. É, então, que entra a veiculação dos vídeos para serem trabalhados com os estudantes.

Para o Secretário de Educação, João Pedro Ferraz, a conscientização gera um elo entre as crianças e os adolescentes com a SEEDF, a escola e principalmente os professores. “Qualquer tipo de violência, principalmente contra as mulheres, nós não vamos combater com armas, mas com educação e amor. Nossos estudantes têm nos professores da escola um amigo que pode dar apoio e orientação em um momento de dificuldade e, inclusive, buscar órgãos de proteção contra eventuais violências que estejam ocorrendo na unidade, na família ou na vizinhança. Toda a comunidade escolar será agente nesse combate”, destacou o representante da pasta.

Os públicos infantil e infanto-juvenil, de estudantes entre 7 e 17 anos, são o alvo da campanha lançada este mês, que vai levar às escolas valores relacionados ao respeito, tolerância e empatia. A expectativa é alcançar entre 700 mil a 1 milhão de meninos e meninas, para que eles possam multiplicar a iniciativa e o discurso em casa, na rua e outros ambientes. “Sempre vai ter alguém da nossa família que vai querer ouvir sobre esse tema”, garante a estudante Lívia Santos do Nascimento (13), 8º ano, do CEF 01 do Riacho Fundo II. Para a aluna, a ação conjunta na escola vai gerar conscientização sobre os direitos das mulheres que devem ser respeitados.

O colega de classe da Lívia, Santiago Salomão (12), certificou que está com as amigas e acredita que a partir dessas ações, juntos, eles podem mudar o mundo. “Sempre assisto nos noticiários sobre violência contra mulheres e eu acho isso uma tremenda falta de respeito. Tenho certeza que as coisas vão melhorar agora”, disse.

Entretenimento com seriedade

Há cerca de dois anos, a Secretaria de Segurança Pública procurou a Maurício de Sousa Produções com a intenção de desenvolver um conteúdo para para crianças e adolescentes que tratasse da prevenção da violência contra a mulher. Segundo a relações institucionais do grupo, Larissa Purvinni, a produção levou em conta a delicadeza do tema a ser tratado e a idade do público.

Como resultado, foram lançados dois vídeos por faixa etária. Uma obra com a Turma da Mônica clássica, chamada “Juntos pela Igualdade”, para crianças de 7 a 12 anos, e o vídeo “Papo Reto”, para os adolescentes de 12 a 16 anos. As abordagens são diferentes e a linguagem adequada para cada público. “Acreditamos que eles vão levar mensagens importantes de empatia, respeito, tolerância. Todo o conteúdo foi brifado por uma equipe multidisciplinar. A empresa já tem 60 anos e alcançou quatro gerações, com personagens que conseguem conversar com crianças e adultos. Isso facilita também o diálogo entre as famílias”, ressalta Purvinni.

Para as instituições parceiras, a educação é um dos melhores meios de enfrentamento a comportamentos violentos. O material produzido para o Guia foi inspirado nas atividades do currículo Voice Against Violence, desenvolvido pela ONU Mulheres em parceria com a World Association of Girl Guidensand Girls Scouts (WAGGGS); nas orientações do currículo do programa Uma Vitória Leva a Outra, adaptado pela Empodera e ONU Mulheres Brasil a partir do currículo GOAL da ONG WomenWin e nas perguntas e orientações do currículo O Valente Não é o Violento, desenvolvido pela ONU Brasil.

Parceria ativa

Assinada a Portaria Conjunta Nº 21/2020 pela SEEDF, a SSP-DF, PNUD e a ONU Mulheres, o Guia consolidado pautará ações pedagógicas sob a perspectiva de uma educação voltada aos direitos humanos e à diversidade, com a promoção da cultura de paz nas escolas. “Estamos aqui porque não há como avançar no ideal de sociedade, em que todos possam viver livres e construindo, com violência. É isso que nos move como parceiros dessa iniciativa”, ressaltou a oficial de programa do PNUD, Moema Freire.

Coordenadores Intermediários, que atuam nas Coordenações Regionais de Ensino (CRE), Coordenadores dos Núcleos de Ensino da Socioeducação e representantes das etapas e modalidades que atuam em nível central vão participar de uma capacitação no dia 10 de março para multiplicar junto às unidades escolares os vídeos e o Guia.

A aula inaugural será pela manhã no auditório Corpo de Bombeiros (ABMIL). No período vespertino, a segunda parte da formação acontecerá por meio de rodas de conversa após divisão dos participantes em grupos. A formação está prevista para até dois dias.

Veja os vídeos:

Turma da Mônica em Juntos pela Igualdade

Turma da Mônica Jovem em Papo Reto

Nathália Borgo/Ascom/SEEDF

Tags: DF Portal Distrito Federal